O papel do gerenciamento por categorias na gestão colaborativa

Criado em 24 de fevereiro min(s) de leitura

Última atualização em: 24 de janeiro de 2023, às 7:45 pm

A colaboração é uma ferramenta de diferencial competitivo com benefícios em vários aspectos.

A prática precisa começar no top management, saindo de um olhar comercial para o desenvolvimento de planos conjuntos com o shopper no centro das decisões.

[blockquote align=”none” author=”Fátima MerlinConvidada TradeCast #20″]O shopper sobrepõe produtos em uma operação de trade[/blockquote]

DESAFIOS DO GC

Culturalmente, muitas empresas acreditam em processos considerados ultrapassados e são resistentes a mudanças. Esse é um dos pontos citados por Fátima como uma dificuldade a ser superada pelo mercado.

Essa etapa também compreende o engajamento das diferentes áreas da empresa. É quando abastecimento, operação, comercial e equipe de campo devem interagir.

Por fim, a qualidade e aplicação prática da informação vão fazer a diferença. É a ponta do processo.

A IMPORTÂNCIA DO PROMOTOR E DO REPOSITOR

[blockquote align=”none” author=”Fátima MerlinConvidada TradeCast #20″]Tem um grande desafio de educar e capacitar a equipe para participar do processo[/blockquote]

Engajamento no processo de construção do trabalho que é executado. É um papel crucial e tem grande oportunidade no desenvolvimento conceitual da operação. Por que o planograma é dessa forma? O que está por trás do merchandising?

Fátima citou o tema da NRF de 2017, que teve o foco em “Pessoas”. É preciso criar mecanismos de auditorias e monitoramento, porém reconhecer e premiar também é extremamente necessário.

O QUE ISSO TEM A VER COM RUPTURA?

O sortimento inteligente só é praticável mediante o processo de gerenciamento por categoria. Antes dessa implementação, porém, deve haver uma etapa de estudo dos produtos e da marca.

Revisar estrutura mercadológica e cadastro vão garantir a eficiência do gerenciamento por categorias: para Fátima, é importante que haja uma fase “pré-GC”.

Segmentação adequada, papel da categoria, cuidado para não gerar superestoque e ruptura de itens críticos.

O QUE ISSO TEM A VER COM RUPTURA?

Capacitar, monitorar e reconhecer. Analisar o ticket de compra e a conversão do cliente. Vendas e espaço que a marca está ocupando. Criar políticas efetivas para canais, entender o shopper e segmentar ações de acordo com as variáveis possíveis.

Uma das melhores perguntas durante a conversa foi do Edgar Bergamini, e tenho certeza de que é uma dúvida frequente de várias operações vigentes no mercado:

“Gostaria de ouvir uma sugestão sobre como o distribuidor pode ter o controle do PDV do cliente varejista, sem ser ou parecer invasivo”.

A resposta da Fátima foi no alvo. Confira o vídeo completo e a dica que a profissional deu para o nosso público respondendo o Edgar.

Quer ter acesso a conteúdos exclusivos?

Inscreva-se para receber por e-mail e em primeira mão conteúdos sobre Trade Marketing e Varejo

Conheça o Involves Stage: a solução de trade marketing

Uma ferramenta completa para execução, gestão e inteligência da sua operação.

Saber mais

Inteligência artificial para o varejo com Involves Doors

Controle o abastecimento, minimize perdas e aumente o faturamento das suas lojas.

Agendar demo

Tudo sobre Varejo

Ver todos arrow_forward